BC projeta que contágio por corona no Brasil será mais grave que na China e Itália – F7 Notícias
Connect with us

Saúde

BC projeta que contágio por corona no Brasil será mais grave que na China e Itália

Published

on

A projeção da taxa de contágio por coronavírus no Brasil aponta para um quadro ainda mais grave do que a situação assistida na China e Itália, que são os dois países mais prejudicados pelo pico da doença até agora.

A projeção do que poderá ocorrer em solo nacional foi feita pelos técnicos do Banco Central, segundo revelou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista à Folha desta segunda (16).

Guedes afirmou que teve acesso aos números após uma reunião no Congresso com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e outros ministros do governo Bolsonaro, incluindo o da Saúde, Luiz Mandetta.

Questionado, o economista não soube repassar os detalhes da projeção do BC à reportagem, mas fez uma comparação com a situação da Itália.

“Não me lembro exatamente [dos números do BC]. Mas era algo assim: na Itália era previsão de 60% de contágio e aqui, de 80%. Podemos atingir o pico em um mês. Mas tudo vai depender da prevenção.”

Guedes afirmou que “foi essa quantificação, feita pelo Banco Central, que me assustou.”

O BC, segundo explicou o ministro, “tem modelos estatísticos calculando a velocidade de contágio” humano. Embora o papel da instituição seja o de acompanhar dados relativos à economia, “assim que surgiu a preocupação com o coronavírus, o Mandetta pediu ajuda a quem pudesse dar.” E o BC “tem modelos estatísticos, altamente matemáticos, que permitem modelar qualquer coisa. Modelaram a velocidade de contágio.”

Ainda de acordo com Guedes, o governo “achava que a coisa ia bater aqui em maio, e não deveríamos ser tomados pela neurose antes da hora, para não parar a economia antes da hora.”

Na semana passada, porém, o presidente da Câmara Rodrigo Maia criticou e cobrou Guedes publicamente, pela falta de um plano de curto prazo para lidar com os impactos do coronavírus sobre a economia.

Guedes insistiu, na entrevista, que a melhor resposta a curto prazo seria aprovar medidas que estão paradas no Congresso, como a privatização da Eletrobras.

“O baque do coronavírus é temporário: o contágio sobe rapidamente, fica três meses e depois desaba. A China já está se recuperando. Eu preciso estar preocupado com o reforço das nossas defesas durante e depois da crise. Podemos transformar a crise em reformas. As reformas trarão as bases para gerar crescimento, emprego e renda após o surto, lá na frente”, disse.

Advertisement

Tendendo

Copyright © 2020 F7 Notícias.